NOTÍCIAS

>> Veja outras notícias

>> Dedicação para crescer

João Carlos Luzzi (35), há 15 anos trabalha no Fontana e segue os passos do pai Félix José Luzzi (70), que prestou seus serviços durante 34 anos à empresa. João iniciou como auxiliar de produção, depois analista de planejamento e controle de produção, atuou no laboratório e agora está no setor de processo.

“Em primeiro lugar é preciso gostar do que se faz. Sem dúvida trabalhar aqui é um aprendizado. Não temos rotina, e isso é o grande diferencial”, diz. Já o pai Félix, comenta que em 1970, quando entrou na empresa, não havia tantos funcionários como hoje e que eles tinham que fazer um pouco de tudo. “Descarregávamos os tambores de 320 quilos de soda em três ou quatro. Às vezes virávamos a noite trabalhando. Eu era o responsável pela caldeira então, às 4h da manhã a acendia para que às 7h estivesse pronta. Uma vez fui servente de pedreiro para a instalação das máquinas de sabonete e sabão”, relembra Luzzi.

Ele comenta que só saiu da empresa por causa da idade, mas que gostaria de estar ainda trabalhando. João conta que a dedicação de seu pai pela empresa sempre foi grande. “Lembro de uma vez, acho que tinha uns cinco anos, era último do ano e o meu pai veio à empresa para ver os tachos de sabão. “Esse fato me marcou muito”. Ele acrescenta que quando era mais novo pretendia fazer contabilidade, mas a Fontana lhe abriu outras portas como trabalhar no laboratório. Hoje é formado técnico em química, área que gosta muito.



>> A importância da empresa para as famílias

“Gosto muito de trabalhar aqui”, diz o operador de produção, Marciano Vanzetta (28), que há dez anos está na empresa. Seu pai, Telvi Vanzetta (56), completa, “tudo que eu tenho hoje consegui trabalhando no Fontana em 27 anos (até 2005) como operador de máquina. Chegava de manhã às 5h30min saía pelas 16h. Fazia hora-extra às vezes no sábado e domingo e isso me ajudava muito financeiramente”.

Ele diz ainda que normalmente nos finais de semana deixava a máquina pronta para fazer o sabão na segunda-feira. “Espero que a empresa melhore e cresça cada vez mais”, diz Vanzetta (pai). Sobre o filho destaca que “Acho muito bom ver o meu filho trabalhando na mesma empresa que eu. Como ele tem vontade de voltar a estudar, espero que ele faça cursos para subir de cargo”. Marciano comenta também que por trabalhar na Fontana facilita muito até para fazer crediário nas lojas e que conseguiu muitas coisas boas em sua vida.